Category Notícias
EBA - Empresa Brasileira de Armazenamento, Redex e Operações Logísticas
EBA - Empresa Brasileira de Armazenamento, Redex e Operações Logísticas

Segundo divulgou o site de notícias G1, o óleo diesel é usado em toda a cadeia produtiva e, depois de várias altas seguidas, o preço do combustível teve duas reduções recentes. Apesar das quedas já terem sido sentidas por quem produz e por quem transporta, influenciou pouco o mercado.

O Mais Agro MT conversou com motoristas de Rondonópolis, Alto Garças e Alto Araguaia sobre o assunto.

“Quando eu cheguei nesse Mato Grosso, a gente falava em centavos de óleo diesel, centavos de dólar. Eram 23, 25 centavos o litro de óleo diesel. Hoje, está um absurdo, está um dólar e pouco, o litro de óleo. Eu sempre digo assim: ‘Antigamente, a gente lavava as peças com óleo diesel e secava com gasolina. Hoje, tem que lavar a peça com óleo diesel e secar com o vento’, porque é tudo muito caro”, diz o caminhoneiro Tomé Rodrigues de Souza.

Além disso, para o produtor rural José Milton Breintenbach, o alto valor do combustível é apenas um dos “pesos enfrentados. “O que encarece muito para nós é adubo, o cimento também aumentou bastante e o óleo diesel é o vilão, porque subiu muito. Nunca aconteceu de nós pagarmos o litro de óleo diesel mais caro do que a gasolina. A fazenda gira em torno do óleo, os tratores colheitadeira, o caminhão, tudo consome óleo diesel”, afirma.

“Está muito difícil para nós sermos autônomos, hoje, com esses constantes aumentos do combustível. Agora, deu uma ‘quedazinha’, mas é insignificante porque, quando o diesel sobe, sobe R$ 1 e pouco, o litro. Agora, baixaram R$ 0,30, mas isso aí não significa quase nada para nós. O diesel sobe e a margem de lucro só diminui”, reflete o caminhoneiro Tomé Rodrigues de Souza.

De acordo com o g1, o empresário Nicolau Bissoni, que atua como diretor de transportes, tem uma frota de 220 caminhões. Segundo ele, os aumentos do diesel começaram no final do ano passado, mas o pico chegou agora, em 2022.

EBA - Empresa Brasileira de Armazenamento, Redex e Operações Logísticas

“Se o combustível representar mais de um terço do frete, o seu negócio fica inviável. Hoje, para um frete de R$ 100, por exemplo, o combustível tem que estar entre 33% e 35% do custo dele, em relação ao frete. E nós estávamos trabalhando, em um período, acima de 50%. Não tem transportador que aguente uma pressão dessas. A gente teve que trabalhar junto aos nossos clientes esse aumento. A gente conseguiu repassar parte do aumento, o que veio amenizar nossa situação”, conta.

“Para fecharmos no azul, precisamos ter mercadoria. Ela está aí e o volume é grande para ser transportado. Eu acredito que o combustível ainda deve dar uma recuada e o frete subir um pouquinho. Nós vamos ter um fechamento de ano satisfatório”, aponta.

Fonte: G1

Foto: Portal Estrada/Direitos Reservados

Portal Estrada – Negócios em Transporte & Logística

Fonte: Portal Estrada

EBA - Empresa Brasileira de Armazenamento, Redex e Operações Logísticas
EBA - Empresa Brasileira de Armazenamento, Redex e Operações Logísticas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *